Registro de Imóveis de Cachoeira do Sul

(51) 3530-4745
(51) 99952-4556

NOTÍCIAS

01 DE MARçO DE 2021
STJ – Herdeiro não depende de registro formal da partilha do imóvel para propor extinção do condomínio

O registro formal de partilha de imóvel após a sentença em processo de inventário – o chamado registro translativo – não é condição necessária para o ajuizamento de ação de divisão ou de extinção do condomínio por qualquer um dos herdeiros. O motivo é que o registro, destinado a produzir efeitos em relação a terceiros e viabilizar os at​os de disposição dos bens, não é indispensável para comprovar a propriedade – que é transferida aos herdeiros imediatamente após a abertura da sucessão (saisine).

O entendimento foi fixado pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que concluiu que a ação de extinção de condomínio dependeria do prévio registro da partilha no cartório de imóveis, como forma de comprovar a propriedade do bem.

Na ação que deu origem ao recurso, o juiz julgou procedente o pedido, extinguiu o condomínio e determinou a venda de imóveis que anteriormente foram objeto da herança, sendo que o total recebido deveria ser partilhado entre os condôminos, na proporção de seus respectivos quinhões. A sentença foi reformada pelo TJSP, que extinguiu a ação.

Indivisibilidade após partilha

A relatora do recurso especial, ministra Nancy Andrighi, apontou que, nos termos do princípio da saisine, com o falecimento, todos os herdeiros se tornaram coproprietários do todo unitário chamado herança.

Entretanto, a magistrada destacou a diferença da questão debatida nos autos, pois, embora tenha havido a transferência inicial da propriedade aos herdeiros, ocorreram também a prolação de sentença e a expedição do termo formal de partilha na ação de inventário.

Segundo a relatora, essa distinção é relevante, pois, de acordo com o artigo 1.791, parágrafo único, do Código Civil de 2002, até a partilha, o direito dos coerdeiros, quanto à propriedade e à posse da herança, é indivisível e regulado pelas normas relativas ao condomínio – o que sugeriria, em sentido contrário, que, após a partilha, não haveria mais que se falar em indivisibilidade, tampouco em condomínio ou em transferência causa mortis.

“Conquanto essa interpretação resolva de imediato uma parcela significativa de situações, não se pode olvidar que há hipóteses em que a indivisibilidade dos bens permanecerá mesmo após a partilha, atribuindo-se aos herdeiros, ao término do inventário, apenas frações ideais dos bens, como, por exemplo, se não houver consenso acerca do modo de partilha ou se o acervo contiver bem de difícil repartição”, explicou a ministra.

Copropriedade

Nessas hipóteses, Nancy Andrighi destacou que há transferência imediata de propriedade da herança aos herdeiros e, após a partilha, é estabelecida a copropriedade dos herdeiros sobre as frações ideais dos bens que não puderem ser imediatamente divididos.

Em consequência, a ministra concluiu que o prévio registro translativo no cartório de imóveis, com a anotação da situação de copropriedade sobre as frações ideais dos herdeiros – e não mais, portanto, a copropriedade sobre o todo da herança –, “não é condição sine qua non para o ajuizamento de ação de divisão ou de extinção do condomínio por qualquer deles”.

Ao reformar o acórdão do TJSP, em razão da ausência de manifestação sobre pontos da controvérsia nas contrarrazões do recurso especial, a relatora concluiu que as questões levantadas pelos recorridos na apelação e que não foram examinadas pelo tribunal paulista também não poderiam ser conhecidas pelo STJ, pois foram atingidas pela preclusão. Assim, a Terceira Turma restabeleceu integralmente a sentença que declarou a extinção do condomínio.

Leia o acórdão.

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

Outras Notícias

Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
EBC – Especialista explica sobre declaração inicial de espólio

O espólio corresponde ao ano-calendário do falecimento.


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Diário de Santa Maria – Cinco cidades da Região Central já registram mais mortes que nascimentos em abril

Pesquisa projeta novo recorde de mortes por Covid-19 no mês de abril.


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
GaúchaZH – Pela primeira vez na história recente, RS registra mais mortes do que nascimentos em um mês

Estado foi o único do Brasil a verificar encolhimento da população em março, auge da pandemia no Brasil.


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
IRIB – Pauta de Julgamento do CNJ inclui ato normativo sobre a divulgação do faturamento das Serventias Extrajudiciais

Dispositivo legal pretende alterar a Resolução CNJ n. 215/2015, que dispõe do acesso à informação, aumentando...


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Estadão – Em alguns Estados, covid-19 já ‘rouba’ mais de 3 anos da expectativa de vida

Estudo indica recuo de 3,68 anos no Distrito Federal, enquanto em São Paulo, Estado com maior número de casos, a...


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Conjur – Afastamento laboral de grávidas na epidemia traz segurança jurídica, dizem advogados

O projeto segue para a sanção do presidente da República.


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Conjur – Corregedores desenvolvem projeto para compartilhamento de boas práticas

Já foram apresentadas três ações pelo corregedor-geral da Justiça de Minas Gerais, o desembargador Agostinho de...


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Migalhas – Produtores rurais ficarão em terras até fim de disputa com fazendeira

O conflito se deu em razão da dona da terra pleitear pagamento apenas em soja, quando havia sido avençado que uma...


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Projeto promove a regularização das terras de 50 agricultores familiares em Mato Grosso

Iniciativa em parceria com os Cartórios de Registro de Imóveis possibilita a mensuração do perímetro de cada...


Anoreg RS

16 DE ABRIL DE 2021
Jornal Minuano – Mortes por Covid-19 em março representam 54% dos óbitos por doenças no Rio Grande do Sul

A doença causada pelo novo coronavírus representou 54% do total de óbitos por causas naturais (mortes por...