Registro de Imóveis de Cachoeira do Sul

(51) 3530-4745
(51) 99952-4556

NOTÍCIAS

01 DE MARçO DE 2021
STJ – Herdeiro não depende de registro formal da partilha do imóvel para propor extinção do condomínio

O registro formal de partilha de imóvel após a sentença em processo de inventário – o chamado registro translativo – não é condição necessária para o ajuizamento de ação de divisão ou de extinção do condomínio por qualquer um dos herdeiros. O motivo é que o registro, destinado a produzir efeitos em relação a terceiros e viabilizar os at​os de disposição dos bens, não é indispensável para comprovar a propriedade – que é transferida aos herdeiros imediatamente após a abertura da sucessão (saisine).

O entendimento foi fixado pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que concluiu que a ação de extinção de condomínio dependeria do prévio registro da partilha no cartório de imóveis, como forma de comprovar a propriedade do bem.

Na ação que deu origem ao recurso, o juiz julgou procedente o pedido, extinguiu o condomínio e determinou a venda de imóveis que anteriormente foram objeto da herança, sendo que o total recebido deveria ser partilhado entre os condôminos, na proporção de seus respectivos quinhões. A sentença foi reformada pelo TJSP, que extinguiu a ação.

Indivisibilidade após partilha

A relatora do recurso especial, ministra Nancy Andrighi, apontou que, nos termos do princípio da saisine, com o falecimento, todos os herdeiros se tornaram coproprietários do todo unitário chamado herança.

Entretanto, a magistrada destacou a diferença da questão debatida nos autos, pois, embora tenha havido a transferência inicial da propriedade aos herdeiros, ocorreram também a prolação de sentença e a expedição do termo formal de partilha na ação de inventário.

Segundo a relatora, essa distinção é relevante, pois, de acordo com o artigo 1.791, parágrafo único, do Código Civil de 2002, até a partilha, o direito dos coerdeiros, quanto à propriedade e à posse da herança, é indivisível e regulado pelas normas relativas ao condomínio – o que sugeriria, em sentido contrário, que, após a partilha, não haveria mais que se falar em indivisibilidade, tampouco em condomínio ou em transferência causa mortis.

“Conquanto essa interpretação resolva de imediato uma parcela significativa de situações, não se pode olvidar que há hipóteses em que a indivisibilidade dos bens permanecerá mesmo após a partilha, atribuindo-se aos herdeiros, ao término do inventário, apenas frações ideais dos bens, como, por exemplo, se não houver consenso acerca do modo de partilha ou se o acervo contiver bem de difícil repartição”, explicou a ministra.

Copropriedade

Nessas hipóteses, Nancy Andrighi destacou que há transferência imediata de propriedade da herança aos herdeiros e, após a partilha, é estabelecida a copropriedade dos herdeiros sobre as frações ideais dos bens que não puderem ser imediatamente divididos.

Em consequência, a ministra concluiu que o prévio registro translativo no cartório de imóveis, com a anotação da situação de copropriedade sobre as frações ideais dos herdeiros – e não mais, portanto, a copropriedade sobre o todo da herança –, “não é condição sine qua non para o ajuizamento de ação de divisão ou de extinção do condomínio por qualquer deles”.

Ao reformar o acórdão do TJSP, em razão da ausência de manifestação sobre pontos da controvérsia nas contrarrazões do recurso especial, a relatora concluiu que as questões levantadas pelos recorridos na apelação e que não foram examinadas pelo tribunal paulista também não poderiam ser conhecidas pelo STJ, pois foram atingidas pela preclusão. Assim, a Terceira Turma restabeleceu integralmente a sentença que declarou a extinção do condomínio.

Leia o acórdão.

Fonte: Superior Tribunal de Justiça

Outras Notícias

Anoreg RS

22 DE ABRIL DE 2021
“Notários e registradores têm feito o que é possível para participar deste admirável mundo novo”

Especialista em Direito Notarial e Registral, Tiago Machado Burtet destaca a importância dos serviços...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
Artigo – Cartórios utilizam tecnologia para dar celeridade aos processos do agronegócio – Por Joelson Sell

Aliar tecnologia à segurança jurídica em um só serviço é o que os cartórios extrajudiciais vêm se dedicando...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
TJ/RS – Ato conjunto determina expediente presencial interno a partir desta quinta-feira

Segundo a Desembargadora Vanderlei, a decisão também foi tomada em decorrência da necessidade de dar...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
Época – Cartórios têm forte queda no registro de óbitos por Covid de idosos e aumento de mortes na faixa 20-59 anos

Associação dos cartórios vê grande redução nos grupos de 80 a 99 anos e aumento entre mais jovens.


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
MSN – Além da covid, Brasil teve 55 mil mortes por outras doenças acima do previsto para 2020

As estatísticas indicam que, além das perdas pelo vírus, a crise sanitária causou mortes de quem poderia...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
R7 – Cartórios registram alta nos óbitos de jovens e queda entre idosos

Nas faixas etárias mais altas já vacinadas, a redução do número de óbitos lavrados chega a 64%, segundo dados...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
GOV – Guias para pagamento de títulos de regularização fundiária podem ser emitidas pela internet

A emissão da Guia de Recolhimento da União (GRU), que antes necessitava de atendimento presencial em unidades do...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
Conjur – Sobre a possibilidade de aplicação do usufruto nas execuções trabalhistas – Por Rachel Melchert de Queiroz Guimarães e Ana Paula Prado Bertoncini

Antes de entrar no mérito, vale lembrar que é totalmente plausível a penhora do direito de usufruto em...


Anoreg RS

20 DE ABRIL DE 2021
OAB – OAB abre inscrições para o I Congresso Brasileiro de Direito Urbanístico, que acontecerá em julho

Os debates ficarão a cargo de especialistas do tema, que farão um balanço dos 20 anos do Estatuto da Cidade.


Anoreg RS

19 DE ABRIL DE 2021
Jornal Contábil – Promessa de compra e venda pode basear pedido de usucapião extrajudicial?

A Promessa de Compra e Venda constitui uma das [clássicas] espécies de contrato preliminar e destina-se a...